Dedo x Chupeta – o que você sempre quis saber

2
1461

O hábito de chupar o dedo ou a chupeta é muito comum na vida dos pequenos e costuma deixar os pais repletos de dúvidas sobre o assunto.

Antes de começar este artigo, preciso te contar dois segredinhos que de repente você ainda não saiba.

  • Você sabia que a sucção é uma habilidade que seu filho adquiriu ainda dentro do útero? O reflexo mais forte do recém-nascido, nas semanas que se seguem ao nascimento, é o da sucção. A sucção pode fazer seu bebê se acalmar e até mesmo a adormecer, pois estará lembrando de sua vida uterina. Por isso, o hábito de o bebê dormir mamando é tão comum.
  • A sucção ajuda o seu bebê a enfrentar novos desafios, pois ele se sente mais calmo e seguro para conseguir lidar com as novidades, aliviando o estresse e a ansiedade.

Ok, mas quando nosso bebê começa a levar o dedo à boca com frequência surge a grande dúvida:

Será que eu ofereço a chupeta para o meu bebê ou deixo ele chupar o seu dedinho?

Se, por um lado, chupar o dedo ou a chupeta pode atrapalhar o desenvolvimento da fala e a dentição do seu bebê, por outro, ajuda a criança a se acalmar e a induzir o sono.

Especialistas afirmam que o que realmente tem o “poder” de acalmar uma criança não é nem a chupeta e nem o dedo, mas sim o movimento da sucção. O bebê precisa sentir sensações de prazer, satisfação, euforia, bem-estar e segurança, e todas essas necessidades (incluindo-se aí a sucção) podem ser proporcionadas, por exemplo, por meio da amamentação, do colo e do carinho.

Como já falamos anteriormente, há bebês que sugam o polegar desde quando estavam no útero, conforme podemos ver até em fotos de ultrassom. No mais, sabe-se que eles conhecem e experimentam o mundo por meio da boca, levando todos os objetos nessa direção – e com a sua própria mãozinha não seria diferente.

Mas qual a melhor opção?

Por não ser um produto, em que os pais têm o controle de oferecer à criança, o dedo costuma causar maiores preocupações aos pais. Mas é um reflexo natural da criança, e como pode ser uma fase ou ela está querendo sinalizar que está com fome, por exemplo, não se desespere se ela levar o dedo à boca. 

Mas e se chupar o dedo estiver virando um vício, o que fazer?

  • Mude o foco da criança, com a distração, outro estímulo, ignorando o comportamento e não o repreendendo. Assim, ela vai descobrir outras formas de recuperar a calma e tirar o dedinho da boca.
  • Estimule brincadeiras que envolvam as duas mãos: pinturas, quebra-cabeças, bloquinhos de montar ou levar para brincar ao ar livre.
  • Monitore a criança e tente oferecer a ela outras atividades com as mãos, em ocasiões em que ela costuma levar o dedo à boca: se leva quando está assistindo um filminho, dê algo para ela segurar, como uma bolinha; se sempre leva o dedo à boca quando está muito cansada, para dormir, talvez você precise antecipar a hora de dormir, aos primeiros sinais de sono, para não deixar chegar nesse ponto, dê uma naninha para ela segurar.
  • Se for um bebezinho, dormir com luvinhas de algodão podem dificultar a ida do dedinho à boca.
  • Sendo uma criança mais velha, explique sobre a importância de parar, o que acontece com os dentinhos, mas nunca criticando e repreendendo, usando reforço positivo, como uma recompensa pelo dia que ela não levar o dedinho à boca.

Como o grande problema apresentado pelas mães é o momento de largá-los, tanto dedo quanto chupeta, o dedo pode ser um hábito que geralmente vai embora sozinho, até a criança completar 1 ano e meio a 2 anos, mas, se perdurar, pode ser difícil tirar porque está disponível o tempo todo para a criança. A chupeta pode ser um hábito que dure alguns anos, mas os pais podem se sentir mais no controle para tirar o hábito. 

O assunto é sempre polêmico. Contarei minha experiência com a chupeta e os estudos que encontrei para que te ajude a tomar uma decisão consciente.

Vamos lá?

Quais são os contras ao uso da chupeta?

Apesar de que chupar o dedo possa afetar mais no desenvolvimento da dentição que a chupeta, alguns especialistas acreditam que o uso prolongado da chupeta possa, ainda, prejudicar no desenvolvimento da fala. (veja entrevista com a fonoaudióloga no final deste artigo)

Estudos sobre aleitamento materno dizem que a chupeta costuma estar associada ao uso frequente de mamadeira, podendo causar um desmame precoce, por diminuir a estimulação do mamilo e, consequentemente, do leite. A oferta de bicos artificiais também pode causar confusão de bicos, pois o movimento de sucção de mamar é diferente do de uma chupeta ou mamadeira. 


Minha experiência com uso de chupeta e amamentação:

Tentei oferecer chupeta para a minha primeira filha na época das cólicas, ela não aceitou nenhuma marca, se acalmava com a amamentação e outros confortos, mamou até 2 anos e meio!

Para a minha segunda filha, fiz o mesmo, ofereci a chupeta e ela aceitou mais fácil, amamentei menos, até os 7 meses, quando ela não aceitou mais o peito e pegou fácil a mamadeira.

O que pode fazer sentido o estudo que disse acima, apesar de que consegui amamentar até os 7 meses minha filha que usava chupeta, o que é considerado bom.

O mais engraçado de minha história com a chupeta é que a minha mais velha, que não pegou chupeta, tinha “mordida cruzada” e teve que usar aparelhinho móvel nos dentes, 24 horas por dia, quando ainda tinha 3 aninhos, para poder corrigir a arcada com maior facilidade. E sabe o que os ortodontistas diziam? Que, no caso dela, a chupeta teria ajudado um pouco a trazer os dentinhos de cima pra frente…

Mas isso foi no caso DELA.


Quais são os prós ao uso da chupeta?

Um estudo publicado no British Medical Journal analisou o uso de chupetas por vítimas de síndrome da morte súbita infantil (SMSI ou SIDS, em inglês), que é uma condição ainda inexplicável que leva à morte de bebês menores de 1 ano. A conclusão é que a presença da chupeta estava associada a um risco bem menor, principalmente quando havia outros fatores de risco, como dormir de bruços, com muita roupa ou dormir na mesma cama que a mãe que seja fumante. De acordo com esse mesmo estudo, chupar o dedo também teve uma influência super positiva sobre a síndrome.

Os autores do estudo ressaltaram que os dados ainda estão sendo analisados e que esse relato foi feito em cima de resultados preliminares e precisam ser confirmados. Para eles, há duas coisas que podem explicar o possível efeito protetor da chupeta e do dedo. Uma é que a parte extrema da chupeta ajuda a manter o nariz e a boa do bebê longe dos cobertores. A outra, é que o simples ato de sugar possa melhorar o controle das vias aéreas superiores. A chupeta parece ajudar a impedir que a língua caia para trás obstruindo as vias respiratórias, favorecendo o controle da respiração e diminuindo os períodos de apneia.

Ainda existem outros especialistas que acreditam que as crianças que usam chupeta têm mais a atenção dos pais durante a noite, porque eles precisam recolocar a chupeta na boca da criança e que esta atenção dispensada durante a noite ajuda a prevenir a síndrome da morte súbita.

E quando devemos tirar o hábito da chupeta?

A Associação Brasileira de Odontopediatria (ABO) e o Ministério da Saúde recomendam que a idade máxima para o uso da chupeta seja de 3 anos. Entretanto, reconhecem que o ideal seria remover gradualmente esse hábito até os 2 anos. Vários especialistas concordam que o adeus ao biquinho deve ocorrer nessa idade, que coincide com o fim da fase oral. Quanto mais cedo a chupeta for tirada, maiores as chances de autocorreção de possíveis desarmonias nas arcadas dentárias.

Mas uma coisa todos os especialistas compartilham com a mesma opinião, é muito importante tirar o hábito, tanto da chupeta quanto do dedo, de uma criança sem traumas, sem repreender a criança, propondo outra atividade para distraí-la ou substituindo por uma naninha, brinquedo ou outro objeto de conforto. 

Uma consulta a um odontopediatra pode ajudar bastante, uma vez que esse profissional irá orientar os pais sobre a maneira correta de agir, principalmente se já tentou de tudo e o hábito persistir após os 3 anos de idade. Em alguns casos o pediatra pode até orientar uma avaliação psicológica, pois o hábito pode estar querendo sinalizar outras coisas sobre o desenvolvimento e comportamento da criança.

Mas como tirar o hábito da chupeta?

Em relação à chupeta, a retirada deve ocorrer de uma forma gradativa. E é importante que a criança não veja isso como uma perda. Uma boa dica é usar da fantasia. Quem sabe a fadinha da chupeta não vem buscá-la à noite? A criança pode deixar o objeto sob o travesseiro e encontrar uma moeda ou um presentinho como pagamento pela manhã, com uma cartinha da Fada agradecendo pela ação, por ela ajudar outros bebezinhos com a chupeta. Vai da sua imaginação.

Ir conversando, dizendo que a criança já está uma mocinha(o), oferecendo uma recompensa pela troca também ajuda. Lembre-se, ela precisa achar que está ganhando com a troca e não perdendo.

A escola também pode ajudar nesse processo, deixar uma cestinha na porta para as crianças doarem chupetas e mamadeiras para bebês que precisam. Vendo a ação do amiguinho(a), pode ser um incentivo a mais.


Minha experiência com o fim da chupeta:

Aqui em casa, minha filha que usou chupeta, jogou sozinha no lixo perto de seu aniversário de 3 anos, fiquei de boca aberta com a atitude dela! rs As crianças podem nos surpreender muito!! Ainda perguntei: “você tem certeza disso?”, e ela disse: “sim, mamãe!”. Fiquei morrendo de medo de como seria a noite… ela pediu, mas a lembrei que estava no lixo, que ela tinha decidido isso, adotou um outro objeto de conforto (um bichinho de pelúcia) e dormiu. Chegou a pedir por algumas noites ainda, mas aí vai de nossa firmeza em dizer com segurança e amor que não tem mais, que ela tomou a decisão. Uma hora a criança esquece de vez.

Aqui foi tudo gradual, a oferta não era frequente, era usada apenas em situações para acalmar, vínhamos conversando, que estávamos perto de seu aniversário de 3 anos, que já estava uma mocinha, deixei de comprar novas chupetas, ela foi achando que as que sobraram estavam ficando velhas e perdeu o interesse naturalmente. Ganhou um livrinho de presente e muitos elogios.


Como chupar a chupeta ou chupar o dedo podem auxiliar no sono do bebê?

Sempre oriento às mães, quando o assunto é chupeta ou dedo, que chupar o dedo pode ser passageiro e que também pode ser um sinal para você descobrir se o bebê está com fome ou precisando de mais atenção, por exemplo. Quando ele estiver com o dedo na boca, tire-o de forma gentil e carinhosa e tente distrair com uma outra coisa, até ele perder o hábito. Ele pode estar passando por uma pico de crescimento e sentir mais fome, aí você resolve com a amamentação. Ou estar passando por um salto de desenvolvimento, estar mais carente e demonstrar isso pela sucção, talvez ele esteja precisando de mais atenção e colo nesses dias.

A chupeta pode ser uma grande aliada do sono em alguns casos, como em casos de bebês que ficam “chupetando” o peito a noite toda (muitas vezes em casos de cama compartilhada), o que pode vir a se tornar muito estressante para a mãe e ainda prejudicar a qualidade de sono de ambos. A chupeta acalma, ajuda a induzir o sono, mas quando a criança ainda não sabe colocar a chupeta na boca sozinha, ela pode se tornar uma vilã. Isso porque a criança poderá acordar mais de uma vez durante a noite procurando a sua chupeta.

Há alguns modelos de chupeta presas a um bichinho de pelúcia, assim ficam mais pesadas e caem menos da boca, a criança consegue pegar sozinha mais fácil também. Mas só conheço modelos importados, como este da foto.


Entrevista com especialista

E para te ajudarmos nessa decisão, consultei a Regina C. F. Medeiros, fonoaudióloga, com 40 anos de experiência na área, para dar sua opinião sobre o assunto:

MN10 – Regina, qual é sua recomendação? Deve-se oferecer chupeta ao bebê?

Regina – Recomendo, como fonoaudióloga, que se evite oferecer a chupeta se a criança amamenta no peito, até no mínimo 1 ano, que é quando a necessidade de sucção diminui. Você pode amamentar, embalar, cantar e dar carinho quando seu bebê estiver irrequieto e dar algo para ele brincar utilizando as mãos sempre que ele tentar chupar o dedo.

MN10 – Mas há casos em que a chupeta é recomendada?

Regina – Sim, a chupeta é recomendada em crianças com hipotonia como forma de exercício e em respirador bucal para que ele tenha que usar o nariz. Por isso, o acompanhamento regular com o pediatra é essencial, para que ele te oriente sendo necessário, como a ida a um especialista, para que tenha melhor orientacão.

MN10 – E até quando a chupeta pode ser usada? Quais são os perigos do uso prolongado?

Regina – A chupeta deverá ser tirada até, no máximo, 2 anos de idade, pois pode, a partir daí, começar a modificar o pálato (o “céu da boca” fica bem alto prejudicando inclusive o funcionamento do nariz), maxilares, dentes, posição de língua etc., ocasionando futuros problemas de dicção. Um exemplo disso é a mordida aberta anterior (quando a criança fecha os dentes notamos a presença de uma abertura circular entre eles. Está abertura pode provocar o ceceio anterior (ao emitir “s” ou “z” a língua sai por essa abertura) ou o ceceio lateral. Em crianças que ficam o dia todo e falam com a chupeta na boca (o “s” e o “z” são substituídos por “x” e “j” – “xono” para “sono”, “jeba” para “zebra”). Por isso a oferta deve ser feita sempre com moderação, nunca deixe a criança o dia todo com a chupeta. O uso prolongado da chupeta atrasa o aparecimento do “l” e do “r” brando, pois impede que a língua toque adequadamente o pálato para sua produção (diz “baia” para “bala”, “baiata” para “barata”). Do mesmo modo, atrasa a produção dos grupos consonantais, que aparecem entre 3 e 5 anos, com “l” (diz “panta” para “planta”) e r ( diz pato para prato). Quando se tira a chupeta antes dos 2 anos e meio há ainda a chance de a arcada dentária voltar à posição; porém, se passar disso há chances de sua criança ter de passar por algum tratamento ortodôntico.

MN10 – Mas e se o vício de levar o dedo à boca está começando a preocupar, vale a pena tentar substituir o dedo pela chupeta?

Regina –  Se a criança, apesar de tudo, persistir em chupar o dedo, a chupeta é menos deformante que o dedo, especialmente se ela for ortodôntica. O vício da chupeta é mais fácil de se eliminar do que o do dedo, pois podemos “sumir” com a chupeta, mas o dedo estará sempre à disposição da criança.


Gostaram? 😉

Existem muitos prós e contras na hora de falar em chupar chupeta ou dedo. O que importa mesmo é o que for melhor para você e sua criança. Cada caso deve ser avaliado. Qual a prática que deixam vocês mais felizes e seguros? Isso é que vale. Não existe regra e nem certo e nem errado. Tudo tem o lado positivo e o lado negativo, o que é preciso fazer é analisar as possibilidades e fazer a melhor escolha para vocês, pais e criança.


Resumindo para você:

  • Dois segredos:
    • A sucção é uma habilidade que seu filho adquiriu ainda dentro do útero.
    • A sucção acalma e ajuda o seu bebê a enfrentar novos desafios.
  • Se por um lado chupar o dedo ou a chupeta pode atrapalhar o desenvolvimento da fala e da dentição do seu bebê, por outro ajuda a criança a se acalmar e induz ao sono.
  • Por não ser um produto que que se tem o controle de oferta à criança, o hábito de chupar o dedo costuma causar maiores preocupações aos pais.
  • A Associação Brasileira de Odontopediatria (ABO) e o Ministério da Saúde recomendam que a idade máxima para o uso da chupeta, seja de 3 anos.
  • Quanto mais cedo a chupeta for tirada, maiores as chances de autocorreção de possíveis desarmonias nas arcadas dentárias.
  • É muito importante tirar o hábito de uma criança sem traumas e gradualmente.
  • Um estudo publicado no British Medical Journal analisou o uso de chupetas por vítimas de síndrome da morte súbita e a conclusão é que a presença da chupeta estava associada a um risco bem menor. De acordo com esse mesmo estudo, chupar o dedo também teve uma influência super positiva sobre a síndrome.
  • Estudos sobre aleitamento dizem que a chupeta pode causar confusão de bicos e estimular o desmame precoce.
  • A chupeta pode ser uma grande aliada do sono, mas muitas vezes uma vilã.

Bibliografia consultada

  1. Çinar ND. The advantages and disadvantages of pacifier use. Contemporary Nursy. 2004 July [capturado 2005 Dez 03]; 17: Disponível em: http://www.contemporarynurse.com/17.1/17-1p13.php
  2. Victora CG, Tomasi E, Olinto MT, Barros FC. Use of pacifiers and breastfeeding duration. Lancet 1993;341:404-6.
  3. Li DK, Willinger M, Petitti DB, et al. Use of a dummy (pacifier) during sleep and risk of sudden infant death syndrome (SIDS): population based case-control study. 2006;332:18

E como é na sua casa? Seu bebê chupou chupeta ou ele preferiu o dedo? Como vocês lidaram com isso? Qual é a sua opinião em relação a esse assunto? Conte-nos, queremos muito saber a sua opinião.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Oii Guta. Adorei a matéria. Gostaria apenas de compartilhar o que a pediatra do meu filho falou. Ele chupa dois dedos juntos, o anelar e o dedo do meio, ela disse que esses dedos não são tão prejudiciais e é melhor que a chupeta ou o dedão (pois traz o dente para frente e prejudica a arcada dentária). Eu fiquei mais tranquila depois dela dizer isso. Aah, ele só chupa o dedo para dormir.

    • Oi, Amanda! Obrigada por comentar e compartilhar essa informação com outras mães. 🙂 Deve ser apenas uma fase mesmo, mas experimente fazer a remoção gentil quando perceber que ele já está adormecendo. Beijos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, coloque seu nome aqui