Saiba quando e como iniciar um desfralde para que seja tranquilo e sem traumas

2
2399

Uma grande dúvida que sempre surge entre rodas de mães é o desfralde.

QUANDO e COMO fazer…

Muitas mães me mandam mensagens pedindo ajuda e perguntando sobre minha experiência com as minhas filhas, que realmente deu muito certo, e foi uma coisa muito natural, tranquila e sem traumas para elas. E é sobre isso que vamos abordar neste artigo.

Vamos lá?

O desfralde é, sem dúvida nenhuma, um dos grandes marcos do desenvolvimento de sua criança e um dos primeiros passos rumo à autonomia. É uma fase que dá aquele apertinho no coração: “meu bebê está crescendo”. Mas posso garantir que é muito recompensador ver ela aprendendo e orgulhosa de si mesma.

Para a criança, o desfralde é uma tarefa nova, assim como tudo que ela vem aprendendo desde que nasceu. Mas implica em abrir mão de muitas coisas, inclusive de parar de brincar para ir até o banheiro. Para nós pais, é necessário uma dose a mais de paciência para ajudá-la a passar por isso da melhor forma possível.

Especialistas recomendam que a fralda não seja tirada muito antes dos 2 anos de idade, pois a criança não está preparada e pode causar uma frustração em você e criar traumas em seu filho. Não adianta forçar a natureza, é ela que vai saber quando é a melhor hora e ela que te dará esses sinais.

No momento que se inicia o desfralde, a criança começa a descobrir que existem coisas que dependem exclusivamente dela, da sua vontade e de sua necessidade.

Saiba que o aprendizado de controlar o esfíncter é influenciado por fatores fisiológicos, psicológicos e socioculturais, e, nesse processo, é muito importante que a família e a escola, falem a mesma linguagem e trabalhem em conjunto para facilitar o processo e não criar confusão na criança.

Como sabemos que a criança está preparada para o desfralde?

É muito importante observar a capacidade de controle do esfíncter da criança, reparando se ela se queixa quando está com a fralda suja e avisa que fez ou vai fazer as suas necessidades.

Para te ajudar a perceber o momento certo, atenção para:

  • A criança já está caminhando?
  • Tem paciência para ficar sentada?
  • Fica com a fralda sequinha por três ou quatro horas?
  • Dá sinal que fez o xixi ou o cocô e que está incomodada com a fralda?
  • Presta atenção e entende bem o que os adultos falam?
  • Sabe o lugar dos objetos e já consegue guardar corretamente?
  • Se interessa por ver os outros indo ao banheiro?
  • Faz xixi e cocô sempre nos mesmos horários e tem consciência do próprio corpo?
  • Se esconde em um cantinho da casa e se abaixa quando quer fazer cocô?

Depois que você perceber que a sua criança está preparada para iniciar esta etapa, procure conversar sobre o assunto com ela, estimular e respeitar o tempo que ela precisa para assimilar o novo comportamento até criar consciência do processo.

A princípio ela estará sendo apenas condicionada a ir ao banheiro e escapes são muito comuns por ainda não ter total controle do que está acontecendo em seu corpo. Tudo deve ser tratado com muita paciência e carinho para que não gere nenhum trauma e que a consciência do processo de ir ao banheiro venha.

Então, preste atenção nestas 6 dicas que vão te ajudar a passar por essa fase mais tranquila.

1 – Respeite o tempo dela

Já entendemos que as crianças dão sinais claros que estão prontas para iniciar o processo de desfralde, pois ela começa a ter consciência das suas necessidades. Não é porque o filho da sua amiga ou seu outro filho tirou as fraldas com uma idade que o seu tem que tirar com a mesma idade, cada uma tem seu tempo e hora certa. Não tente antecipar o processo, preste atenção nos sinais que ela vai dar e não invista no processo se ela não estiver pronta.

Decidir se vai fazer o desfralde completo, diurno e noturno, ou vai começar com o diurno e depois passo para o noturno, é uma decisão muito pessoal também, depende muito da sua criança.

Aqui em casa, como a Valentina chegava a acordar várias vezes com a fralda seca, comecei pelo diurno, foi bem fácil (xixi e cocô), e depois de menos de 1 mês, quando ela já estava desfraldada de dia, inicie o desfralde noturno; daria até para ter sido junto, mas optei por esperar.

A Catarina começou pelo diurno (xixi mais fácil e cocô mais complicado), já deu um pouco mais de trabalho, e ainda acordava com a fralda muito molhada, esperei ela começar a acordar com a fralda seca alguns dias consecutivos antes de iniciar o noturno, e isso levou tempo, quase 1 ano depois para o desfralde noturno, até chegar a hora certa (coincidiu um pouco quando ela parou com a mamadeira antes de dormir, então, a mamadeira, pode ser um fator complicante). Lembre-se: respeite o tempo da criança.

2 – Organize o desfralde

É muito importante que, antes de começar o processo, você tenha organizado como será a nova rotina da criança, da casa, da família, da escola.

Escolher um período que vai passar mais tempo em casa com a criança como num feriado prolongado ou durante as férias também ajuda.

Você precisa decidir se vai optar por penico ou redutor de assento. Existem muitas opções no mercado, vale a pena dar uma pesquisada nos prós e contras de cada um deles.

Eu comecei pelo penico, minhas filhas se sentiram mais seguras para começar, fora que são bonitinhos, coloridos, tinha um que tocava até música quando elas faziam, achavam o máximo.

Com o redutor de assento elas ainda tinham medo de cair dentro da privada, mas do penico para o assento o processo foi bem rápido, e deve ser, porque não é todo lugar que você vai encontrar ou vai poder levar um penico. Por isso, investir em algum penico caro talvez não traga muitos benefícios. O que tocava música foi caro, foi presente da avó, consegui guardar para usar para a outra filha, então valeu a pena no final, mas, se tivesse que comprar para usar para um filho, sabendo que usaria pouco, não compraria. Hoje há assentos que dobram e você pode levar na bolsa do bebê.

Se optar pelo redutor, coloque um banquinho para que a criança apoie as pernas, assim ela se sentirá mais segura e estará na posição correta também. As pernas soltas não ajudam na evacuação.

Iniciar o desfralde no verão é a melhor opção, pois a criança vai sentir menos necessidade de urinar a todo tempo, como no inverno, e como ela pode ficar molhada várias vezes durante o dia, um dia quente facilita os banhos e evita que a criança fique doente. Por essa razão que as escolinhas costumam começar a incentivar o desfralde no segundo semestre, lá para setembro, quando a temperatura começa a subir.

Diminua a ingestão de líquidos durante a noite e sempre leve-a para fazer xixi antes de se deitar para dormir. Crianças que mamam ou tomam mamadeira antes de dormir podem ter um desfralde noturno mais tardio, ou os pais vão precisar levantar de madrugada para levá-la ao banheiro.

3 – Seja forte, não desista

Depois que começou o processo é muito importante que você não volte atrás, que não desista. Com certeza você vai ouvir muitas opiniões, dicas que se dizem infalíveis, simpatias, comparações que vão te deixar confusa, ansiosa e até com medo, mas lembre-se que quem conhece o seu filho é você, e só você sabe a melhor forma de conduzir isso.

A hora do cocô é mais fácil de você descobrir (apesar de ser mais demorada e exigir mais paciência), você já vinha observando, é só incentivar naqueles horários. O xixi, fora o da hora de dormir e acordar, nesse começo, precisa ser incentivado a cada 2 horas no máximo, para que a correlação com o penico comece a se estabelecer, se tiver alguém em que a criança confie para te ajudar no processo de levá-la ao banheiro, como o pai ou a vó, peça ajuda! Se a criança falar que não está com vontade, leve-a mesmo assim e fale algo como: “Ah, mas só um pouquinho, vamos lá! Você vai ficar feliz e a mamãe também!”. E, se fizer, mesmo pouco, faça a maior festa!

Mesmo depois que o processo de desfralde estiver completo, sempre procure lembrar sua criança de ir ao banheiro. Lembre que brincar é muito mais gostoso para ela, e ela pode esquecer de ir.

Se o desfralde estiver muito difícil, e ela for mais velha, quadros de incentivo para o desfralde, oferecendo uma recompensa depois da semana toda fazendo xixi e cocô no lugar certo, também costumam ajudar. Você deixa ela colar um adesivo de “estrela” ou “carinha feliz”, por exemplo, em cada dia que ela conseguir. Claro que ela não precisa acertar todos os dias, ela precisa estar se esforçando.

Lembre-se: paciência, amor e persistência, que vai passar. Não falo que é isso que as mães e pais precisam! 😉

4 – Parceria casa e escola

Essa dica é para aquelas crianças que já frequentam a escola. Cada escola costuma ter o período que vai começar a falar sobre isso, costuma mandar informe, marcar reunião, mas se a escolinha não vier atrás, marque uma reunião, veja como ela podem te ajudar.

Às vezes sua criança começou o processo antes mesmo da idade que a escola incentivaria, então, se o desfralde já começou na sua casa, a escola precisa respeitar e incentivar também, mesmo que a conduta com as outras crianças ainda seja diferente.

Tudo o que for adotado em casa, deve ser feito na escola e vice e versa. Na escolinha às vezes até é mais fácil, porque uma criança acaba imitando a outra. O importante é todo mundo falar a mesma linguagem.

5 – Use roupas fáceis de serem tiradas

Carregue sempre várias mudas de roupas, e que sejam leves e fáceis de tirar. Dê preferência para calçar sandalinhas tipo papetes e fáceis de secar, para, num escape, não encharcar o tênis (por isso a preferência por iniciar no verão também). Também tenha sempre a mão lencinhos umedecidos, sabonete, toalinha…

6 – Faça ser divertido

A etapa de desfralde precisa ser lúdica, agradável e natural. E sua companhia é muito importante, pelo menos nas duas primeiras semanas do desfralde. Quando passar esse período, pode até deixar a criança com um livrinho e voltar de tempos em tempos até ela acabar. Experimente colocar seu brinquedo preferido ao lado dela na hora de usar o troninho também.

Você pode usar livros para contar história enquanto seu filho está sentando no penico ou no vaso sanitário. Pode contar suas histórias preferidas ou comprar livros específicos que contam histórias sobre desfralde. Aqui em casa usei esses dois, mas já devem ter vários outros sobre o assunto nas livrarias:

Você pode comprar cuecas e calcinhas com personagens que elas gostem, assim podem ficar com “pena” de sujarem (rs), um incentivo a mais. A criança também se sente importante ao escolher roupa íntima para ela, é mais um marco de independência.

Falar sobre xixi e cocô precisa ser natural na sua casa, e crianças adoram e acham um barato falar sobre isso. Mesmo sendo natural na minha casa, a Catarina teve um pouco de dificuldade com o cocô… Acontece de a criança conseguir fazer o desfralde do xixi primeiro e do cocô demorar um pouco mais ou vice e versa. Ela parecia que tinha medo. Assim que estava vindo a vontade, levantava do penico, desistia e depois de um tempinho acontecia na calça ou na fralda mesmo, mas a correlação da evacuação com o penico estava começando a acontecer. Continuava estimulando, não desistia. Até que um dia conheci uma música que ajudou a Catarina nesse processo… E é um pouco disso que gostaria de compartilhar com vocês neste vídeo que fiz há algum tempinho já, mas que estou compartilhando agora com vocês. 🙂 

Aqui está o link da música que falo no vídeo.

Engraçadinha, né?

Experimentem, cantem junto com sua criança, sem vergonha, aqui funcionou que nem mágica! rs

Agora vamos a mais alguns lembretes importantes pra você não errar nesse processo:

1 – Não antecipe o processo

Por isso é tão importante estar atenta aos sinais que a criança emite sinalizado o início do desfralde. Um começo precoce do processo, pode trazer grandes frustrações a todos.

2 – Não critique a criança

É bem normal que durante o processo de desfralde sua criança deixe escapar xixi e cocô. Claro que ninguém quer ficar limpando colchão, sofá, tapetes e roupas e mais roupas, mas respire fundo e mantenha a calma. Qualquer tipo de repreensão pode deixar a criança insegura e fazer com que ela use a situação para chamar a sua atenção. Além disso, é capaz que ela passe a sentir medo.

3 – Não perca a cabeça

Não se deve recriminar ou demonstrar qualquer tipo de frustração à criança quando o xixi ou o cocô escapar. Quando isso acontecer, a criança vai precisar de mais estímulo para que não aconteça outra vez. Procure elogiar e comemorar quando ela fizer certinho e oriente quando não acontece algo que não foi legal.

4 – Não a compare com ninguém

Claro que é natural fazermos esse tipo de comparação, mas não comente com a criança, ela pode se sentir frustrada. Evite coisa do tipo: “na sua idade, seu irmão já usava o penico sozinho”, “todos os seus amiguinhos na escola não usam mais fraldas”. Essa pressão psicológica só trará mais insegurança e frustração para a criança que está passando pelo processo.

É bem provável que essas comparações venham de pessoas de fora de seu núcleo familiar, os famosos “palpites”, o melhor a fazer é não dar bola para esse tipo de coisa e informar que está tudo dentro do planejado.

5 – Não se acomode

Já sabemos que o desfralde exige paciência, dedicação e esforço, tanto dos pais quanto das crianças, mas não é por isso que você vai adiar o processo, não é mesmo? Se a sua criança já está dando os sinais de que está pronta, comece já. Não precisa ser tudo de uma vez, o prazo para largar as fraldas poderá ser um pouco mais lento. Tenha bom senso para não atrapalhar a fase de desenvolvimento da criança e nem o seu sono noturno.

6 – Se precisar, peça ajuda

Geralmente a fralda diurna não representa muitos problemas para os pais, mas a noturna tende a ser mais desafiadora, pois ela pode levar de seis meses a dois anos para que a criança adquira total controle. Aqui em casa durou cerca de 1 ano…

Você só deve se preocupar e procurar um especialista quando a criança tem mais de 5 anos e ainda faz xixi na cama diariamente, ou mais de uma vez por noite.


Curiosidade:

Há alguma orientação especial para o processo de desfralde de meninos e meninas?

Bem, sou mãe de meninas, mas minha irmã é mãe de menino e assim foi orientada pelo pediatra e faz muito sentido pra mim: no começo, os meninos devem ser orientados a fazer o xixi sentados, porque nem sempre a criança sabe identificar se vem xixi e cocô, podem vir juntos. Mostre para o seu filho que ele tem de colocar o pênis para baixo, com a mão, para o xixi não escapar para fora. Depois do processo já estar bem consistente, você pode propor para que ele tente fazer de pé, como o papai, mas com a ajuda de um banquinho.

Já ouvi um relato de uma mãe que brigava para o filho fazer de pé desde o início, dizendo que “homem que é homem faz de pé!”, claro que ela não estava conseguindo um bom resultado… um absurdo que ainda temos de escutar num país machista e que deve ser a realidade de muitas famílias por aí.

Para as meninas, uma das orientações mais importantes que os pais precisam ensinar, e que, por incrível que pareça, ainda há dúvidas, é a maneira correta de se limpar. Ensine que ela deve passar o papel sempre de frente para trás, no sentido da vagina para o bumbum, e nunca ao contrário, principalmente quando fizer cocô, para assim se evitar infecções.


Resumindo para você:

  • O desfralde é, sem dúvida nenhuma, um dos grandes marcos do desenvolvimento de sua criança e um dos primeiros passos rumo à autonomia.
  • Especialistas recomendam que a fralda não seja tirada muito antes dos 2 anos de idade.
  • Saiba que o aprendizado de controlar o esfíncter é influenciado por fatores fisiológicos, psicológicos e socioculturais.
  • Como sabemos que a criança está preparada para o desfralde:
    • A criança já está caminhando?
    • Tem paciência para ficar sentada?
    • Fica com a fralda sequinha por três ou quatro horas?
    • Dá sinal que fez o xixi ou o cocô e que está incomodada com a fralda?
    • Presta atenção e entende bem o que os adultos falam?
    • Sabe o lugar dos objetos e já consegue guardar corretamente?
    • Se interessa por ver os outros indo ao banheiro?
    • Faz xixi e cocô sempre nos mesmos horários e tem consciência do próprio corpo?
    • Se esconde em um cantinho da casa e se abaixa quando quer fazer cocô?
  • Preste atenção nas dicas que vão te ajudar a passar por essa fase mais tranquila:
    • Respeite o tempo dela.
    • Organize o desfralde.
    • Seja forte, não desista.
    • Parceria casa e escola.
    • Use roupas fáceis de serem tiradas.
    • Faça ser divertido.
  • Para você não errar, preste atenção nestes itens:
    • Não antecipe o processo.
    • Não critique a criança.
    • Não perca a cabeça.
    • Não a compare com ninguém.
    • Não se acomode.
    • Se precisar, peça ajuda.

Podemos perceber que o desfralde exige paciência, dedicação e esforço, tanto dos pais quanto da criança. Pouco a pouco a criança deve ser estimulada a prestar atenção em seu corpo e nas novas sensações. É importante lembrarmos que cada criança tem um ritmo diferente e é fundamental respeitá-lo, por isso cada processo será único.

E como está sendo na sua casa? Já começou o processo? Como foi? Como está sendo? Conte-nos sua experiência. 🙂

2 COMENTÁRIOS

  1. Adorei o texto, bem claro e didático. Procurei algum texto sobre desmame, você já escreveu algo sobre? Obrigada Guta por ter essa missão de contribuir com outras mães! Abraços

    • Obrigada, Vívian! <3 Ainda não, discuto muito sobre isso no meu programa, o Fada do Sono. Falar de desmame já é mais complicado, sou a favor da amamentação prolongada, amamentei até 2 anos e meio, mas há uma hora que a amamentação noturna precisa ser olhada com atenção, chega uma hora que a criança não tem mais necessidade fisiológica de mamar à noite, e que não favorece uma boa noite de sono para à criança e à mãe. Então trabalhamos em estender essas horas noturnas, mas sempre respeitando a idade da criança. Falar sobre desmame tem muitas particularidades, mas posso pensar em algo sobre isso sim... 😉 Beijos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, coloque seu nome aqui